23 de jun de 2017

Venezuelanos estão famintos mas elite socialista festeja




Epoch Times, 23 de junho de 2017 






O país pode ser atingido pela pobreza e violência, mas uma minoria rica agirá como se não fossem afetados pela crise

É sempre curioso discutir com socialistas sobre os méritos de sua ideologia. Se você mencionar a Venezuela e dizer: “Veja! Isto é o que acontece no socialismo”, eles sem dúvida afirmarão que isso não é um verdadeiro exemplo de socialismo. Mas se você voltar no tempo somente alguns anos, você descobriria que a percepção deles sobre a Venezuela era bastante diferente: os venezuelanos vivem em um ‘bom exemplo’ socialista.

Celebridades como Sean Penn, Oliver Stone e Danny Glover elogiaram o regime há pouco tempo, assim como intelectuais como Noam Chomsky. Há seis anos, Bernie Sanders afirmou que “o sonho americano está mais apto a ser realizado na América do Sul, em lugares como o Equador, a Venezuela e a Argentina”. No entanto, essas vozes estão convenientemente silenciosas em relação à Venezuela hoje. Mas, há sempre pelo menos um exemplo “perfeito” de socialismo para se sustentar, até que esse exemplo brilhante falhe completamente, de novo.

Justin Trudeau cobrado para resolver a questão da soltura de um pastor canadense preso na Coreia do Norte

Senadora canadense Yonah Martin e o pastor Jason Noh 



Toronto Sun, 22 de junho de 2017 






Parece haver tempo de sobra para o primeiro-ministro Justin Trudeau ir a casamentos, festas de graduação, participar de encontros com partidos políticos, bem como às vezes surfar, fazer caiaque, andar de bicicleta e fazer alpinismo. 

Porém, ele pode sim arrumar um minuto para falar com o ditador da Coreia do Norte para conversar sobre o encarcerado reverendo canadense Hyeon Soo Lim. 

Uma senadora canadense, uma família aterrorizada e toda uma congregação da igreja Presbiteriana da Luz Coreana de 3.000 pessoas em Mississauga ainda têm esperanças 

22 de jun de 2017

Polícia belga detém quatro terroristas islâmicos suspeitos





Euronews, 22 de junho de 2017 



As autoridades belgas anunciaram a detenção de quatro indivíduos na sequência da tentativa de ataque bombista ocorrida esta terça-feira na estação central de Bruxelas.

A polícia levou a cabo várias buscas domiciliárias em vários bairros, incluindo em Molenbeek, local de residência do autor do atentado.

O engenho artesanal continha pregos e latas de gás, no entanto acabaria por explodir sem causar vítimas. O autor da explosão tentou ainda atacar um militar tendo sido abatido pelas autoridades.

10 mil dólares dos guerrilheiros das FARC apreendidos em seu caminho para Huila, Colômbia




NTN24, 22 de junho de 2017 



Autoridades colombianas apreenderam 10 mil dólares dos guerrilheiros das FARC que estavam concentrados em uma zona florestal de Putumayo e Hulia onde foram participar das festas de San Pedro. 

Segundo a imprensa local, os membros do grupo guerrilheiro tinham permissão da comissão da ONU e dos chefes das FARC para participar do evento. 

Também foi garantido pelo prefeito de Neiva, Rodrigo Lara, que os guerrilheiros foram convidados para as festas que estão acontecendo na cidade. 

Professores escoceses exigem que escolas tenham “currículo LGBT”




Gospel Notícias, 22 de junho de 2017 



Por Jarbas Aragão



Sindicato quer que educação “inclusiva” seja ensinada desde os primeiros anos 

O maior sindicato de professores da Escócia exige que as crianças em idade escolar de todo o país aprendam desde os primeiros anos sobre famílias do mesmo sexo e história do movimento LGBT.

Em sua reunião anual em Perth, o Instituto Educacional da Escócia resolveu “se unir à campanha Hora da Educação Inclusiva” – TIE na sigla original. Essa proposta pedagógica defende o ensino obrigatório de uma série de tópicos controversos, incluindo homossexualidade e transexualidade.

Sob o arco maior da “identidade de gênero”, eles acreditam que a educação sexual, incluindo os temas LGBT, deveriam fazer parte do currículo.

Alemanha – incursões policiais na casa de 36 pessoas acusadas de postagens contendo discurso de ódio nas redes sociais

A maioria deles foi por “incitamento de direita”. O problema com todo esse empreendimento deve ser óbvio, mas o que provavelmente não está é: em nenhum lugar neste artigo é explicado pela autoridade alemã (e o New York Times, é claro, não pergunta) por que critério eles determinam que alguém é culpado de “discurso de ódio” ou “incitamento de direita”. O Facebook e o Twitter colocaram identificadores sobre referências a este site [Jihad Watch] que diminuíram [as referências] em 90% em ambos em meados de fevereiro de 2017 e nunca se recuperaram. Certamente eles veem em artigos honestos sobre a natureza e a magnitude da ameaça Jihad como sendo “discurso de ódio”. Mas por um acaso é? É realmente “discurso de ódio” opor-se à pratica da violência da Jihad,  a opressão das mulheres, dos não-muçulmanos, dos homossexuais e outros que é mandado pela Sharia?  

Essas incursões são empreendimentos autoritários que ameaçam a liberdade dos alemães e de todas as pessoas livres, e torna o Estado uma tirania que não pode ser questionada, pois, afinal, esse questionamento seria tido como “discurso de ódio”. 


Alemanha – incursões policiais na casa de 36 pessoas acusadas de postagens contendo discurso de ódio nas redes sociais. 



The New York Times, 20 de junho de 2017 (Graças a Jihad Watch Por Rober Spencer



Por David Shimer 



BERLIM – Em uma campanha coordenada em 14 estados, a polícia alemã nessa terça-feira invadiu as casas de 36 pessoas acusadas de postagens com discursos de ódio nas redes sociais, incluindo ameaças, coerção e incitamento ao racismo. 

Revisão do livro de Ibn Warraq: O Islamismo no Terrorismo Islâmico





Gates of Vienna, 21 de junho de 2017 



Por Fjordman (graças a Baron Bodissey). 




O mundo está testemunhando uma enorme onda de ataques terroristas islâmicos. Não se passa uma única semana sem um ataque terrorista em algum lugar do mundo. Às vezes, muçulmanos militantes realizam várias atrocidades mortais em um único dia. 

A Europa e o mundo ocidental também estão sendo alvos cada vez mais de tal terror tão mortal. Os políticos e os meios de comunicação são rápidos em afirmar que os ataques assassinos perpetrados por militantes muçulmanos não têm nada a ver com o Islã. O estimado autor Ibn Warraq refuta essa afirmação falsa em seu novo livro O Islã no Terrorismo Islâmico: A importância das Crenças, Ideias e Ideologia.