14 de jun de 2017

Imigrante sírio diz que a garota sueca que estava estuprando disse "Pare!" porque estava excitada



Gates of Vienna, 12 de junho de 2017. 






Para essa “juventude enriquecedora da cultura sueca, 'não' nunca significa não” – porque as garotas kafir estão tão obcecadas com a luxúria que não sabem bem o que estão dizendo. 

Eu me pergunto o que as feministas suecas farão sobre esta visão matizada do consentimento versus o não-consentimento. 

Muito obrigado a Tania Groth, por traduzir este artigo de Fria Tider

A explicação de Abdul por que a menina gritou “não”: “Ela estava tão excitada que ela não sabia o que estava dizendo”. 

Abdul da Síria estuprou uma menina em um carro enquanto ao mesmo tempo gravava tudo com o seu telefone celular. Abdul afirmou que a razão da menina gritar “pare, eu não quero!” Na gravação, era porque ela “estava tão excitada que não sabia o que estava dizendo”. Agora ele tenta escapar da culpa porque afirma ter 16 anos – e ele não vai enfrentar a expulsão da Suécia.

A menina contatou o refugiado árabe através das redes sociais e eles decidiram se encontrar. Em abril deste ano, a menina estava em uma festa no condado de Kalmar e bebeu demais, o que a levou a vomitar várias vezes.

No fim da noite ela teve dificuldades em cuidar de si mesma. Ela então recebeu ajuda de Abdul e um amigo que a levou para um carro.

A menina ficou inconsciente no banco de trás quando o carro parou de repente. Quando ela acordou, notou que sua calcinha havia sido tirada.

Quando a polícia fez uma busca na casa de Abdul, vídeos e fotos foram encontrados em seu computador que mostram quando a menina foi estuprada. Quando a menina em questão ouviu sobre o que havia sido encontrado no computador de Abdul, ela entrou em pânico porque temia que o conteúdo tivesse sido espalhado.

O vídeo foi usado como a evidência mais forte contra Abdul. Em uma filmagem a garota é ouvida gritando: “Não, pare, eu não quero!” Apesar disso, Abdul afirmou durante o julgamento que eles tiveram sexo consensual.

Durante um interrogatório, Abdul foi questionado sobre como ele interpretou os gritos da garota que deveriam ser para parar e que ela não queria.

Eu não prestei atenção nisso; ela apenas disse coisas confusas”, disse a criança refugiada.

Quando pediram para explicar o que ele quis dizer com isso, o árabe respondeu:

Ela disse coisas que não fazia ideia do que estava dizendo. Quero dizer, ela estava tão excitada que não sabia o que estava dizendo.”.

Então, quando você está excitado, você pode dizer coisas que você não entende, coisas que você não quer dizer”, explicou Abdul.

Abdul abusou da garota porque ela estava extremamente bêbada, escreve a Sweden's Radio. Ele vai evitar a prisão por causa de sua idade, relatou a SVT (Televisão Sueca).

O tribunal distrital de Kalmar condenou Abdul a 85 horas de assistência juvenil. Além disso, ele tem que pagar 115.000 coroas ($ 13.000) em danos morais à garota.

O promotor não recomendou que Abdul fosse deportado da Suécia de volta à sua pátria árabe.

Os documentos mostram que a criança refugiado é um cidadão da Síria e que precisa de um intérprete árabe. Ele tem uma queixa criminal por roubo, pelo qual recebeu em 02 de fevereiro de 2017. 
Artigos recomendados: 


Nenhum comentário:

Postar um comentário