30 de mai de 2017

Canadá – clínica de aborto tenta silenciar mídia pró-vida, e leva o LifeSiteNews perante o tribunal

Polícia prende Mary Wagner depois de seu testemunho pró-vida na clínica de aborto



LifeSiteNews, 29 de maio de 2017. 






Toronto, 29 de maio de 2017 – (LifeSiteNews) Uma clínica de aborto está pedindo aos tribunais no Canadá para impedir que o LifeSiteNews identifique o seus membros e funcionários abortistas, entre outros. 

O LifeSiteNews  foi a corte nesta semana para lutar contra uma proibição de uma publicação no julgamento da ativista pró-vida Mary Wagner. Wagner está presa desde dezembro, depois de supostamente ter entrando na Clínica Feminina Bloor West Village de Toronto em um esforço para convencer as mulheres a escolher a vida para os seus bebês.  


Na quinta-feira, o juiz Rick Libman do Tribunal de Justiça de Ontário decidiu contra uma proibição de publicação provisória, deixando o LifeSiteNews livre para publicar detalhes do caso, enquanto aguarda uma audiência completa sobre a proibição da publicação no dia 09 de junho. 

A Coroa [corte] apenas arquivou o seu [da clínica] pedido de proibição para dias antes do julgamento de Wagner, que deveria começar em 25 de maio. Essa ação visa proibir a circulação de qualquer informação que possa identificar as mulheres que procuram abortos ou testemunhas “civis” - a equipe do centro de aborto e os abortistas – durante o julgamento. 

A proibição abrangeria todas as exposições arquivadas no ensaio [artigo] durante o julgamento, incluindo vídeos de segurança de dentro do centro de aborto no dia em que Wagner foi presa, bem como o conteúdo do pedido de proibição da publicação. 

O pedido da Coroa [para proibir] escolheu especificamente o LifeSiteNews, que relata sobre Wagner mais do que qualquer outro site de notícias. 

A Coroa só notificou o LifeSiteNews sobre o requerimento na terça-feira, e não forneceu nenhuma prova de apoio até a manhã de quinta-feira, pouco antes do julgamento de Wagner começar. 

O LifeSiteNews então iniciou uma defesa de 11° hora do direito de Wagner a um julgamento aberto e seu próprio direito de publicar detalhes da indústria do aborto. 

O advogado de Toronto, Phil Horgan, apareceu no tribunal em nome de LifeSiteNews para contestar a proibição da publicação, que ele descreveu como uma “proposição extraordinária”. 

Na quinta-feira, Horgan solicitou um adiamento do assunto para que o LifeSiteNews pudesse preparar uma defesa, mas não um atraso no julgamento de Wagner. 

Wagner, de 42 anos, está presa desde 12 de dezembro de 2016, porque ela se recusou conscientemente a aceitar as condições de fiança, exigindo que ela fique longe dos centros de aborto. 

O juiz Libman passou a maior parte do dia ouvindo argumentos e deliberando sobre como lidar com a proibição de publicação e o julgamento. 

O advogado da Coroa, Craig Power, pediu a Libman que imponha uma proibição de publicação provisória e continue o julgamento de Wagner quinta e sexta-feira, na pendência de uma audiência sobre o pedido de proibição de publicação. 

Wagner, que está representando a si mesma, se opõe tanto à proibição da publicação como a qualquer atraso no seu julgamento. 

A colunista do National Post, conhecida como Christie Blatchford, estava presente e disse ao juiz Libman que sua organização de notícias provavelmente gostaria de fazer uma representação na audiência de proibição de publicação. 

No final, Libman decidiu que ele iria ouvir os argumentos em 09 de junho sobre os méritos da proibição de publicação, que considerou “uma questão muito viva”. 

Ele também adiou até esse dia o testemunho de três “civis” e a introdução de provas que poderiam ser afetadas pela audiência de proibição de publicação. 

Porém Libman não impôs uma proibição de publicação provisória, citando o Supremo Tribunal e a jurisprudência que circunscreviam tais ordens. 

Libman criticou a Coroa por não ter notificado outros meios de comunicação sobre a proibição. Ele havia pedido ao poder que tentasse fazê-lo durante um adiamento mais cedo. 

Ele também criticou a Coroa por fornecer “aviso tardio” sobre sua intenção de buscar uma proibição de publicação, dando assim a Wagner pouco ou nenhum tempo para uma defesa. 

Na verdade”, disse Libman, “A senhorita Wagner recebeu o material dentro da instalação prisional hoje”. 

A data de julgamento de Wagner foi resguardada em janeiro, mas recebeu um aviso prévio do pedido de proibição de publicação na prisão de Vanier em Milton no último sábado. 

Além disso, ela e Horgan receberam uma declaração de apoio por um dos abortistas da Clínica Feminina Bloor West Village, mencionado na cobertura [notícia] anterior da LifeSiteNews, apenas na manhã do julgamento. 

Horgan também citou a apresentação tardia como um de seus argumentos contra a proibição. 

O termo de responsabilidade dos abortistas foi firmado e empossado pelo advogado da firma de advogacia McCarthy Tetrault, que é o escritório de advocacia da Bay Street, que geralmente é conhecido por cuidar das necessidades legais e profissionais dos membros da Associação Médica de Ontário. 

O abortista afirmou em sua declaração jurada que ele e os dois funcionários do centro de aborto foram intimados para testemunhar no julgamento de Wagner, mas que temiam represálias de ativistas pró-vida “desconhecidos” se os seus nomes fossem publicados. 

Wagner declarou-se inocente de uma acusação de danos morais e sete acusações de violação da liberdade condicional decorrentes de duas ordens [para ela] de liberdade condicional. Wagner pode ser condenada a 18 meses de prisão, ou metade da pena, se for condenada por violação de sua liberdade condicional. 

O juiz Libman concluiu os procedimentos de quinta-feira ao ouvir os depoimentos de testemunhas “não civis”: a agente de liberdade condicional de Wagner [que a acompanha] Liana Mischianti, e a agente da polícia de Toronto, Christina Trotter. 

Mischianti testemunhou que ela é a diretora de supervisão de Wagner por causa de duas ordens de liberdade condicional: uma para dois anos emitida pelo juiz Mavis Wong em 25 de julho de 2015 e outra por três anos emitida pela juíza Katrina Mulligan em 25 de abril de 2016. 

As ordens proíbem Wagner de estar a menos de 100 metros da Clínica Feminina Bloor West Village, bem como a 100 metros de qualquer instalação de aborto em Ontário. 

Wagner entendeu os termos das ordens e as consequências de violá-las, disse Mischianti ao tribunal. 

A agente Trotter testemunhou que ela e seu parceiro David Rioux receberam uma ligação às 11h50 de 12 de dezembro, de que havia “um convidado indesejável” na Clínica Feminina Bloor West Village. 

Quando os policiais chegaram no quarto andar, Wagner estava no corredor fora da instalação de aborto, disse Trotter. “Ela estava carregando um monte de buquês, por assim dizer, de flores de castanha.”. 

Os oficiais prenderam Wagner por não cumprir uma ordem de liberdade condicional, disse ela. 

Durante o interrogatório do juiz Libman, Trotter testemunhou que Wagner estava “completamente sóbria” e “muito articulada e calma”, e que ela e Wagner falaram sobre “por que ela estava ali”. 

Wagner não tinha perguntas para as testemunhas. 

Mas quando Libman perguntou-lhe mais cedo sobre os seus pensamentos a respeito da proibição de publicação, Wagner pediu-lhe para “ver todo esse julgamento” do “ponto de vista das crianças pequenas abortadas” no centro de aborto. 

Embora o “princípio de um tribunal aberto seja importante”, disse ela, não havia “nada mais fundamental” perante o tribunal do que esse fato. 

A razão pela qual eu estou encarcerada é porque eu estava em uma clínica de aborto”, onde os médicos estão “matando crianças inocentes”, disse Wagner. “Essa é uma das principais injustiças”. 

Entre os cerca de 20 apoiantes que vieram durante o julgamento de Wagner na Old City Hall Courthouse foram Linda Gibbons, que passou 11 anos na prisão por seu  testemunho pró-vida, e Mary Burnie, uma ativista pró-vida de longa data. 

Muitos traziam consigo rosas e esperavam no corredor para quando Wagner fosse levada para o tribunal das celas abaixo, com as mãos algemadas para trás, depois dos frequentes adiamentos. 

Que Deus te abençoe, Mary”, disseram eles. “Nós te amamos, Mary”. 

Wagner, que vem da B.C, pegou quase cinco anos de prisão por seus esforços pacíficos para salvar mulheres e crianças não nascidas da violência do aborto. 

Seu julgamento continuará no dia 09 de junho após a audiência do juiz sobre a proibição de publicação na Old City Hall Court em Toronto. 

Artigos recomendados: 


Nenhum comentário:

Postar um comentário